Reflexões sobre Escalada Esportiva

Arquivo para março, 2013

Atleta Deuter

É com muito prazer e alegria que anuncio minha parceria com a Proativa, empresa distribuidora das marcas Deuter, Sea to Summit e Lorpen aqui no Brasil. Agora, Bianca Castro é atleta Deuter!

Deuter

Estou muito feliz com o apoio da Deuter, pois acredito muito na qualidade de seus produtos! Acho que esta dispensa apresentações, mas, para quem não sabe, a Deuter é uma marca de mochilas alemã, fundada em 1898, e nesses mais de 110 anos sempre buscou as melhores inovações, o que tem como consequência o fato de produzir mochilas mega resistentes e confortáveis para a prática de montanhismo, ciclismo, trekking, etc. Além de mochilas, hoje a Deuter também fabrica sacos de dormir, pochetes e camelbaks, dentre outros produtos. Os produtos Deuter puderam ser comprados aqui no Brasil a partir de 2001, quando a marca alemã entendeu que somos um ótimo mercado e o visionário escalador Kiko Araújo fechou um acordo para ser o representante da Deuter no país, por meio de sua empresa, a Proativa.

Como pode ser constatado, a minha semana começou muito bem! Além disso, fui liberada pelo meu ortopedista e já voltei aos treinos! Mas como todos que param um pouco de treinar, a volta ao climb é sincera. Mesmo não tendo ficado parada muito tempo, senti que perdi rendimento e, principalmente, pele! Não sei se acontece com mais alguém, mas sem escalar a pela da minha mão começa a descamar.. Não sei se é a abstinência física do magnésio de todos os dias ou se é a abstinência sentimental de não poder escalar.. Não sei de nada, só sei que o resultado foi este:

A volta à escalada é sincera e dolorosa..

A volta à escalada é sincera e dolorosa..

Como minha lesão foi na perna, pude fazer várias barras no finger que tenho aqui em casa, o que foi a sorte para não me deixar mega deprimida por não poder escalar, mas fiz menos do que eu gostaria, pois para completar fiquei doente quase uma semana. Bom, agora com esse rombo na mão (não tem palavra melhor para definir), terei que treinar estilo escalador de fenda. Sorte que recentemente assisti ao vídeo da escaladora norte-americana, Steph Davis, ensinando como esparadrapar as mãos para fazer fendas.

Para finalizar, a Copa do Mundo de Escalada começou no último final de semana! A primeira etapa foi em Chongqing, na China, onde foram disputadas as modalidades de Boulder e Velocidade. Não temos nenhuma tradição na modalidade de Velocidade aqui Brasil e, na minha opinião, é um atletismo no muro, portanto não acompanho. Mas Boulder eu acompanho sim e infelizmente, não assisti à final, vencida pela austríaca Anna Stöhr e pelo russo Dmitrii Sharafutdinov. Pode-se afirmar que eram favoritos, pois ganharam a Copa do Mundo e Campeonato Mundial de Boulder, respectivamente, no ano passado. Demais resultados, no site da IFSC, agora com visual novo. Quem estiver interessado e com tempo livre, segue a reprise da final!


Gruta de Passa Vinte

A previsão para o último final de semana aqui no Rio era de chuva, o que me motivou a conhecer a Gruta de Passa Vinte, que, por ser tão negativa e cumprida, permite que se escale mesmo chovendo muito. Então, no último sábado, madruguei para ir com Camilo Jacob e André “Godoffe” conhecê-la.

A trilha foi meio chata, pois estava chovendo e com o capim alto, no final estávamos todos molhados. Por isso recomendo que se vá de calça e leve uma muda de roupa para não passar frio, pois venta bastante na gruta e, por ficar perto de Resende, cidade bem mais alta que o Rio, rola um friozinho que não estamos acostumados nesta época do ano na capital.

Eu já tinha ouvido bastante falar de Passa Vinte, especialmente sobre a sua negatividade e potencial para vias difíceis, o que se concretizou quando cheguei na gruta. Assumo que fiquei bem impressionada com a falésia e recomendo a visita a todos, apesar de não ser muito democrática e conter basicamente vias difíceis.

Esta foto dá uma pequena ajuda para perceber a dimensão da Gruta. Ressalto que ainda tem muita pedra pra baixo! Juliano Magalhães equipando a via Goela Seca (11a/b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

Esta foto dá uma pequena ajuda para perceber a dimensão da Gruta. Ressalto que ainda tem muita pedra pra baixo! Juliano Magalhães equipando a via Goela Seca (11a/b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

Entretanto, esta pode não ser a via mais difícil do pico, que imaginam ser a Sinairo Extensão, um possível 11c. O Felipe Camargo encadenou no início de 2012 a versão original e graduou em 10c/11a, mas sua extensão tem o dobro do tamanho da via original e já está toda equipada só esperando uma cadena. Se confirmada, a Sinairo Extensão poderá ser o primeiro 9a fr no Brasil!

Antes de escalar, vi o Juliano tentar a via Soco Inglês (10a), com um crux bem forte, e ser enxotado da via por algumas abelhas inoportunas.

Juliano Magalhães na via Soco Inglês (10a), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

Juliano Magalhães na via Soco Inglês (10a), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

Juliano Magalhães no crux da via Soco Inglês (10a), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

Juliano Magalhães no crux da via Soco Inglês (10a), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Bianca Castro.

O início da Soco Inglês é um 7c, que seria ótimo para aquecer, mas não arriscamos por causa das abelhas. Então, o que sobrou foi entrar direto na clássica Gênesis (8c). A via é bem curta – foi estendida e sua extensão é um 10c – com dois cruxs de calcanhar alto e um bote entre os dois. Muito legal! No primeiro pega fui parando para tirar os movimentos e no segundo já fui tentar a cadena, mas assim como no terceiro e quarto pegas, caí no segundo crux, em que se sai de um (des)canso para um reglete, sobe o calcanha esquerdo alto, junta em um regletinho e cata uma agarra boa, mas bem longe.

Antes do primeiro crux da Gênesis (8c), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Juliano Magalhães.

Antes do primeiro crux da Gênesis (8c), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Juliano Magalhães.

Segundo crux da Gênesis (8c), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Juliano Magalhães.

Segundo crux da Gênesis (8c), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: Juliano Magalhães.

Além da escalada de muita qualidade, a cidade Passa Vinte, que por 5 km fica em Minas Gerais, é super barata. Jantamos na Padaria Alternativa um pf bem razoável que custou R$ 7,00. Durante o dia ainda é possível compra um pão de queijo gigante e muito bom por apenas R$ 0,50. Dormimos na pousada da Dona Eva que custava R$ 20,00 a noite com café da manhã. Nada de luxo, claro, mas suficiente para descansar e acordar cedo no domingo para escalar na Gruta.

Minha expectativa era tentar a Gênesis novamente e depois provar a via Tapa na Cara (8b). Entretanto, quando estava escalando o primeiro crux da Gênesis, senti três estalos na parte de trás da minha coxa e tive que descer. Eu estava sentindo uma dor de leve no local, mas resolvi parar de escalar, pois achava que o negócio não tinha sido tranquilo.

Calcanhar maldito que me lesionou! Foto: Juliano Magalhães.

Calcanhar maldito que me lesionou! Foto: Juliano Magalhães.

No resto do dia, dei segurança pro Camilo que, em três pegas, encadenou a via Tapa na Cara. A via parecia muito legal, com vários abaulados e crux no finalzinho com uma costurada muito estranha. Já o Godoffe tirou o domingo para continuar furando a via, enorme, que ele está abrindo em Passa Vinte!

Camilo Jacob na via Tapa na Cara (8b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: André "Godoffe".

Camilo Jacob na via Tapa na Cara (8b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: André “Godoffe”.

Camilo Jacob no crux da via Tapa da Cara (8b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: André "Godoffe".

Camilo Jacob no crux da via Tapa da Cara (8b), Gruta de Passa Vinte, Minas Gerais. Foto: André “Godoffe”.

Na volta para o Rio, pegamos uma chuva absurda na estrada! Chegando em casa, eu não conseguia andar direito, o que aumentou minha preocupação.

Segunda-feira, liguei para o meu ortopedista e fui para o hospital. Fiz ressonância e ele constatou que tive uma distensão do bíceps da coxa, felizmente não muito grave, mas terei que ficar 3 semanas de repouso. Nesses momentos que eu percebo a importância do alongamento. Normalmente só alongo os músculos superiores, mas tendo em vista o grau de exigência daquele movimento de calcanhar, talvez se eu tivesse com todo o corpo alongado, não teria me lesionado. Fica o aprendizado!

Só não estou devastada, porque a lesão foi na perna e poderei continuar fazendo campus, finger e barras!

Tirando a lesão, gostei muito da viagem. Adoro conhecer novos picos e com certeza retornarei a Passa Vinte! A escalada lá não é fácil, o que dá mais motivação para treinar, mas recomendo a visita!

Para mais informações sobre a Gruta de Passa Vinte e a escalada no entorno de Resende, acesse o blog RocTrip Resende, mantido pelo Juliano.