Reflexões sobre Escalada Esportiva

Arquivo para junho, 2014

Corpus Christi em São Bento

No último feriadão do ano, resolvi viajar para São Bento do Sapucaí no intuito de tentar projetos pendentes e escalar com um pouco mais de calma do que quando passo apenas um final de semana nesta agradável cidade.

Por motivo de jogo da Copa do Mundo aqui no Rio, fui liberada cedo do trabalho e a viagem começou por volta das 13 horas, junto com Matteo Maffizzoli, Erin Becker e a migona Glauce Ibraim. Entretanto, mais uma vez ficou confirmado que só é possível sair do Rio, sem pegar um trânsito insuportável, viajando à noite. A única vantagem de sair durante o dia é que chegamos em um horário razoável e não às 3 horas da manhã como de costume.

O foco da viagem era retornar à via Juízo Final (9b), localizada no Setor Corujas, na Pedra da Divisa. Depois de muito tempo sem tentá-la, na última vez que fui a São Bento, há cerca de um mês, dei dois pegar e caí no finalzinho da via, quando verifiquei exatamente o que faltava para encadená-la. Desde então, comecei a fazer um exercício específico no campusboard e, já na primeira tentativa desta viagem, pude ver que foi eficiente e consegui mandar a via em um dia que o setor estava exclusivo! Um ótimo começo de feriado, apesar do frio absurdo que passamos, eu e Matteo, lá.

Juízo Final (9b), Corujas, São Bento de Sapucaí. Foto: Matteo MAffizzoli.

Juízo Final (9b), Corujas, São Bento de Sapucaí. Foto: Matteo Maffizzoli.

 

Já leve por ter “cumprido” a meta do feriado logo no primeiro dia, na sexta-feira resolvemos passar um pouco de calor na Falésia dos Olhos, onde eu queria tentar a via Fullon na Sika (9b), variante que começa na Fullon (10a) e termina na Na Sika (9a). O começo técnico da via é bem delicado e eu penei para lembrar dos pés na primeira entrada, quando aproveitei para equipar o final da Sika. Em compensação, me senti muito bem no crux do meio da Fullon, com movimentação bem de campus.

Com tudo devidamente repassado, consegui mandar a via no segundo pega! Para o meu orgulho, o Matteo consegui encadenar a clássica Sonhos de Ícaro (7b)!

Fullon na Sika, Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: MAtteo Maffizzoli.

Deixando a sapatilha Dragon descansar e escalando com a Quantum a via Fullon na Sika (9b), Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Matteo Maffizzoli.

Fullon na Sika, Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: MAtteo Maffizzoli.

Jump no crux da Fullon na Sika (9b), Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Matteo Maffizzoli.

Fullon na Sika, Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Matteo Maffizzoli.

Fullon na Sika (9b), Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Matteo Maffizzoli.

Matteo Maffizzoli na Sonhos de Ícaro (7b), Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Bianca Castro.

Matteo Maffizzoli na Sonhos de Ícaro (7b), Falésia dos Olhos, Paraisópolis. Foto: Bianca Castro.

 

Apesar da pressão para fazer boulder do sábado, fui com o Matteo e a Erin na Pedra da Divisa. O plano era escalar de leve e acabei tentando a via Comunistas (8a), que saiu à vista! Passei pela Berne (9a) no Pilar Central e deu até uma vontade de entrar nela de novo, mas ficou para a próxima.

Comunistas (8a). Pedra da Divisa, São Bento do Sapucaí. Foto: Erin Becker.

Comunistas (8a). Pedra da Divisa, São Bento do Sapucaí. Foto: Erin Becker.

Matteo Maffizzoli na via Comunistas (8a), Pedra da Divisa, São Bento do Sapucaí. Foto: Bianca Castro.

Matteo Maffizzoli na via Comunistas (8a), Pedra da Divisa, São Bento do Sapucaí. Foto: Bianca Castro.

 

O último dia eu tinha reservado para ser mais sociável e escalar boulder com a galera da casinha. Fomos no Aranha, onde eu queria voltar para tentar o Derretidos (V10), boulder que eu entrei este ano e até que fui bem. Mas animei mais de entrar com a Erin no Triturados (V8), boulder de regletes que eu não tinha entrado antes pois estava molhado. Já no primeiro pega, consegui fazer o crux e vi que aquele poderia ser meu primeiro V8. Menos de duas horas depois, com a parceria da Erin e do Otávio Bernardes, que também mandou o boulder, a cadena saiu!

De cabeça feita, finalizei o dia experimentando alguns, poucos, movimentos do Rosinha¸projeto de possível V15 que a galera está tentando.

Linda cruzada no boulder Rosinha (V?), Aranha, São Bento do Sapucaí. Foto: Henrique MArques-Souza.

Linda cruzada no boulder Rosinha (V?), Aranha, São Bento do Sapucaí. Foto: Henrique MArques-Souza.

 

Além das ótimas escaladas, as risadas foram garantidas com a galera que ficou na casinha e compareceu nos jantares e churrascos que rolaram neste final de semana. Mais um feriado incrível em São Bento – AHOOOOLA!


Temporada no Rio

Apesar da imensa vontade de sempre que possível viajar, resolvi ficar os últimos três finais de semana no Rio de Janeiro, pois estava com bastante saudades e vontade de escalar na Barrinha, minha falésia favorita na cidade maravilhosa.

Por causa do intenso calor no início deste ano e da fauna local, tinha deixado de lado a via Lágrimas de Sangue (10b), via esta que eu cheguei a dar algumas entradas no final do ano passado/início deste ano. Entretanto, agora que a temporada de escalada chegou de vez ao Rio, voltei a Barrinha para tentá-la novamente.

Lágrimas é uma via muito bonita que eu me apaixonei logo por seus movimentos. Antes da temporada, era apenas um teste, uma brincadeira, eu entrava nela sem pretensões de cadena e somente para tentar suas passadas. Mas quase quatro meses de treino depois, quando retornei à via, me senti bem sólida e fazendo as passadas com mais facilidade.

O grande problema da via é que tem um descanso muito bom, mas relativamente em seu início, antes de começar a parte mais difícil, e depois outro bom descanso apenas após escalar a parte graduada em 10a. Então a resistência em movimentos difíceis tem que estar em dia para ter sucesso.

Após três semanas e sete entradas na Lágrimas, contando três entradas para equipá-la, consegui no último final de semana encadenar seu 9c duas vezes e em seguida seu 10a também com apenas uma queda, no mesmo dia. Fiquei bem surpresa e feliz! Ainda estou conhecendo o trecho final (tomada pelas aranhas malditas!), mas estou bem animada com este projeto!

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Lágrimas de Sangue (10b), Barrinha, Rio de Janeiro. Foto: Matteo Maffizzoli.

Como a escalada na Barrinha é muito exigente, procuro mesclar com idas ao Platô da Lagoa, onde as vias são curtinhas. Meu projeto lá continua sendo a Brain Lock (9b), uma via bem curta e dura, com exatos vinte movimentos, dos quais dezesseis são sem respiro. Continuo caindo no mesmo lugar, mas estou me sentindo mais forte na via e com os betas da movimentação dos pés na cabeça.

Depois de um bom progresso nos projetos no Rio, estes ficarão um pouco de lado, pois hoje viajo para São Bento do Sapucaí, para passar o feriado com ótimos amigos e boas escaladas, e no fim do mês passarei um final de semana escalando no entorno de Brasília.